Mídia

“O Brasil já teve 21% do PIB de origem industrial. Hoje a indústria é responsável por apenas 11% do PIB”, afirma deputado Pepe Vargas

10 de Agosto de 2017

Parlamentar enumerou políticas equivocadas do governo federal responsáveis pelo desmonte do setor industrial brasileiro e que impedem o desenvolvimento e a geração de empregos


O deputado federal Pepe Vargas (PT-RS) ocupou a tribuna da Câmara dos Deputados na tarde desta quarta-feira (9) para chamar a atenção para os prejuízos que o governo federal tem trazido à indústria brasileira. Embora a base do governo esteja fazendo a política de avestruz que enterra a cabeça na areia e não vê a realidade ao dizerem que o Brasil está retomando o crescimento, ponderou Pepe, o que o Brasil está vivendo é um círculo vicioso de baixo crescimento, quando não de recessão.

Para o deputado gaúcho, a política cambial brasileira é responsável pela desindustrialização e, consequentemente, pela crise econômica brasileira. “O Brasil já teve 21% do PIB (Produto Interno Bruto) de origem industrial. Hoje a indústria é responsável por apenas 11% do PIB”. Outra política equivocada, segundo Pepe é a fiscal que cada vez mais traz prejuízos para a União, estados e municípios justamente porque a economia não cresce. “A inflação baixa porque as pessoas não compram. O comércio não vende, a indústria não produz. Por isso que está baixa. Não é pela política monetária que o Banco Central desenvolve. Aliás, dizem que estão baixando juros, mas a taxa real é hoje o dobro do que era no governo da presidenta Dilma, só para citar o último período”, analisou.

O parlamentar observou também que o país está com o menor patamar de investimentos das últimas décadas. “Não há estímulos para o desenvolvimento do país, o governo não investe e assim o setor produtivo não investe. Já a renda financeira das empresas e dos bancos está nas alturas”.

Veja Também
Newsletter
Cadastre-se e receba as novidades sobre Pepe Vargas, por meio de nossa newsletter. É rápido, fácil e gratuito.
Facebook
Twitter
Pepe Vargas 2014. Todos os direitos reservados.